terça-feira, 23 de outubro de 2012

FLUXO AUTORAL APRESENTA



O projeto Fluxo Autoral retoma suas atividades no próximo domingo 28/10/2012.
Acreditando que um dia a música volte a ser por todos apreciada e não consumida.
Aproveitamos uma das várias intervenções culturais do parceiro Badulaque Estúdio Bar.
Neste próximo domingo faremos a produção e gravação ao vivo do show do artista 

Marcelo Bastos


Saxofonista e Multinstrumentista vêm de família evangélica de músicos e cantores amadores, teve influencia da musica cantada nas Igrejas Protestantes, com nove anos iniciou seu aprendizado musical em bandas e fanfarras colegiais (1980-1987). Foi precursor do estilo Instrumental de Saxofone Gospel no Brasil com a gravação em 1995 do Álbum “Plenitude” na Life Produções com Asafe Borba e distribuição no Brasil pela gravadora VPC. 
Estudou harmonia e improvisação na Universidade de Musica Tom Jobim em São Paulo, Teoria Musical e Violão Clássico na Universidade Estadual de Maringá. 
Participou do Festival de Musica de Londrina, Festival de Jazz de Londrina, Femucic (Festival de Musica Cidade Canção de Maringá), Pro-Jazz Festival de Juiz de Fora, Festival de Blues no Hermes e no Jokers em Curitiba. 

Fez Master Class com expoentes da musica Clássica e Popular Ian Guest, Blaz Rivera, Dr.Paul Turner (ex.trombonista de Glen Miller), Rafael Santos, Nico Assumpçao, Mauro Senise, Richard Sherman, Rogério Wolf, Norton Morozowicz e Jim Lyman (James Gordon Lyman).

Tocou com Yaz Kawasaki, Bocato, Tomate, David Richard, Ben Okada (baixista de Sadao Watanabe), Alex Fronteira, Miltinho (baterista do Jô Soares).

No meio Gospel tocou e dividiu palco com Banda Troad, Banda Gerd, Asaphe Borba, Bene Gomes, Chris Duran, Brother Simion, Genésio de Souza, Adhemar de Campos, Grupo Koynonya, Silvério Perez, Nalma Dayer, David Quinlan.

Tocou em Sun Valley - Idaho no Sun Valley Resort, Via Brazil em Nova York, Sanja - São Paulo, Jokers, Hermes, Original e Wonka em Curitiba, Mr.Kennys, Swing Jazz Pub, Nova Urbana e Jazz in Lovely em Nagoya, Aries Jazz Club, My Schot Pub, Cygnus Jazz Club e Tatou em Tóquio, Hotel Nikko em Toyohashi... Lecionou em Escolas no Japão e também foi Regente da Orquestra do Colégio Áureo em Nagoya. 

Em 2007 foi convidado a dar Master Class. de Saxofone na Louvação da Primeira Igreja Batista de Curitiba, em 2008 também convidados a se apresentar no VIII Festival Internacional de Flautistas de Maringá.

Marcelo Bastos é Bacharel em Música pela UEM, e Mestrando pela Unicamp, Idealizador dos festivais "Winter Jazz Fest" realizado no Restaurante Monte Líbano e “Jazz After Midnight“,com IV edições na Universidade Estadual de Maringá, onde na escola de música dessa instituição é professor do curso de extensão de saxofone.
Atualmente também atua como professor de música em escolas particulares. 

A gravação do show será realizada no próximo domingo dia 28/10/2012 a partir das 18 horas no Badulaque estúdio Bar. e contará com a presença dos renomados músicos

Hélio Prado da Silva




MAnderson Kauffman



quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Ser eu? Não sei

Agüenta more
Parce sei que tem
Por pouco mais tem
Lá vai embora

Não lembro qual trem
Que me liberta ser quem
Eu me afasto de ser
Me leva embora

A viagem me deixa cansado
Quando chego onde fui levado
E meu corpo flutua ao auto
Estou de volta.

Só quando não há
Mais ter nem sou nem eu
mais nada assim estou
Dançando agora

Defesa ou combate
Confiar detém o ataque
O torna bom e ninguém sebe
Chora... Agora... É, e ninguém
Sabe o que é ou que tem,
Todo mundo quer e agora.

Sacode mais não comove
Promove e não se move
Como és vivo se seu canto é pobre
Se protesta e mais nada
Como se move

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Estúdio Badulaque: Jazz Club Badulaque

Estúdio Badulaque: Jazz Club Badulaque: Quarta Jazz Badulaque Neste mês de Agosto, todas as quartas terá jazz no Badulaque. O som será na área interna do bar, das 19:00 ~ 21:00 ...

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Jazz Club Badulaque

Quarta Jazz Badulaque


Neste mês de Agosto, todas as quartas terá jazz no Badulaque.
O som será na área interna do bar, das 19:00 ~ 21:00 horas. 
espero que não tenha mais uma intervenção das autoridades.
Será um espaço para reencontro de prof fissionais da música
será cobrada a entrada de R$ 5,00 onde 80% vai para a banda e 20% será destinado pelos próprios músicos para ajuda social para crianças

Bateria - Eulas Venceslau


Contrabaixo - Felipe Paiva


Paulo Mazetti


Haverá também vários convidados
um viva a musica maringaense!





terça-feira, 26 de junho de 2012

Indústria Fonográfica


A indústria não deveria existir, sua única função é acabar com a música como arte e transforma-la num pacote de arroz, Limar arranjos, tornar a música como uma novela. Onde já de cara todo mundo sabe o final, pois um Hermeto Pascoal cansa ouvir, são muitas notas.
Hermeto Pascoal é um gênio da musica mundial, porém ele é mais conhecido no exterior do que no Brasil.
A indústria não tem nenhuma preocupação com a musica e sim com o
 consumo!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

BARES SÃO UMA EMPRESA OU BANDIDOS?


Preciso de uma ajuda

-Gostariam de saber quantos bares existem em Maringá?
-Com este dado, gostaria de uma ajuda para fazer uma pesquisa de quantas pessoas trabalham registrados ou fazem free lance
-Quanto o município arrecada de imposto de todos os bares
-Quantas famílias dependem ou reforçam seu orçamento com os empregos em bares
-E o mais estranho, alguém conhece algum dono de bar rico?

·         Sei que muitos bares usam da música de maneira fútil e exploradora, mais porque que alguns bares que usam seu espaço para intervenção cultural, boa música, aproxima a arte da população, são perseguidos pelas autoridades?
·         É revoltante que a cidade não apóie compositores locais, os estabelecimentos que por muito menos faz o trabalho do governo municipal, onde os mesmos geram empregos.

·         Gostaria de saber quanto uma igreja gera de renda para a cidade?

·         Não digo às pessoas que fazem parte, mais a empresa igreja, qual a vantagem social e cultural para a cidade?

- Todo mundo sente prazer em dizer que é um empresário.
Eu Discordo, todo mundo não, eu e acredito que todo o dono de bares não sente prazer
Somos classificados pelos “formadores de opinião”, os incríveis Maringaenses como dispensáveis, um incomodo para a sociedade, muitos dos que condena esse ramo de empreendimento são empresários de contrabando, servidores públicos que se aproveita do nosso dinheiro.

·         Sugiro que exista uma lei onde qualquer estabelecimento comercial seja liberado para que bandas toquem até 10 horas da noite, desde que a banda seja autoral, e que o couvert cobrado seja totalmente direcionado para a banda.