terça-feira, 26 de junho de 2012

Indústria Fonográfica


A indústria não deveria existir, sua única função é acabar com a música como arte e transforma-la num pacote de arroz, Limar arranjos, tornar a música como uma novela. Onde já de cara todo mundo sabe o final, pois um Hermeto Pascoal cansa ouvir, são muitas notas.
Hermeto Pascoal é um gênio da musica mundial, porém ele é mais conhecido no exterior do que no Brasil.
A indústria não tem nenhuma preocupação com a musica e sim com o
 consumo!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

BARES SÃO UMA EMPRESA OU BANDIDOS?


Preciso de uma ajuda

-Gostariam de saber quantos bares existem em Maringá?
-Com este dado, gostaria de uma ajuda para fazer uma pesquisa de quantas pessoas trabalham registrados ou fazem free lance
-Quanto o município arrecada de imposto de todos os bares
-Quantas famílias dependem ou reforçam seu orçamento com os empregos em bares
-E o mais estranho, alguém conhece algum dono de bar rico?

·         Sei que muitos bares usam da música de maneira fútil e exploradora, mais porque que alguns bares que usam seu espaço para intervenção cultural, boa música, aproxima a arte da população, são perseguidos pelas autoridades?
·         É revoltante que a cidade não apóie compositores locais, os estabelecimentos que por muito menos faz o trabalho do governo municipal, onde os mesmos geram empregos.

·         Gostaria de saber quanto uma igreja gera de renda para a cidade?

·         Não digo às pessoas que fazem parte, mais a empresa igreja, qual a vantagem social e cultural para a cidade?

- Todo mundo sente prazer em dizer que é um empresário.
Eu Discordo, todo mundo não, eu e acredito que todo o dono de bares não sente prazer
Somos classificados pelos “formadores de opinião”, os incríveis Maringaenses como dispensáveis, um incomodo para a sociedade, muitos dos que condena esse ramo de empreendimento são empresários de contrabando, servidores públicos que se aproveita do nosso dinheiro.

·         Sugiro que exista uma lei onde qualquer estabelecimento comercial seja liberado para que bandas toquem até 10 horas da noite, desde que a banda seja autoral, e que o couvert cobrado seja totalmente direcionado para a banda.

domingo, 17 de junho de 2012

Objeto Desconhecido



Queria que agora houvesse um estrondo, grande ao ponto de acordar toda a cidade. Assim, esta noite e talvez somente esta noite não sentisse só, quem sabe então meus pulmões e coração tivessem lugar em meu peito.

terça-feira, 5 de junho de 2012

CADE TEU SUIN



Cadê teu repi
quem é teu padrin
onde é que tu to
Cadê teu suin?
guitarra não po
desista mole
quem é que te indi
cadê teu suin?
com que sobreno
melhor ir sain
dou nem mais minu
to nem mais
Ainda tem a cora
gentinha atrevi
da cá sua vi
da cá seu suin
guilhotina?
eu que controlo o meu guidom!
Com ou sem suin
Com ou sem suin
Com ou sem suin
guichê só de vem
da lá toma no
tamanha revan
cheio de vingan
santinha Cecili
andou me esquecen
dou rima por p
hão de ter o suin
acerta esse tom
zera essa reza
aumenta o vo
calma com andamen
to insatisfeit
mara q venh
aquel refr
hão de teu suin
guilhotina?
eu que controlo o meu guidom!
Com ou sem suin
Com ou sem suin
Com ou sem suin

A música claramente dos desacordo entre a banda e a industria fonografica brasileira. O que ouvi sobre essa discurssao foi que depois da gravação do primeiro cd, com o sucesso de Anna Julia o que a gravadora esperava era que a banda gravasse musicas mais comerciais, porem a grupo discordou, prezando pelo seu estilo proprio. Nao só cade teu suin trata dessa questão, mas tambem a musica samba a dois.


Espírito Independente




Iniciou sua carreira em batalhas de MCs no ano de 1998, nas quais se destacava. Após, integrou o extinto grupo de rap Quinto Andar em 1999, junto com artistas como De Levee Shawlin. No entanto, foi o primeiro a deixar o grupo, para seguir carreira solo; gravou com Marcelo D2 e Fernandinho Beatbox a música "Loadeando", que alcançou destaque nacional
Conhecido nacionalmente por compor letras de espírito diferente da maioria dos rappers, Marechal ficou mais conhecido em 2005, quando entrou em uma rixa com o rapper paulistano Cabal. Começou com Marechal gravando "Sua Mina Ouve Meu Rap", tendo a resposta por "Temporada de Caça" por Cabal. A rixa começou a ganhar ares mais pesados com as canções "Vai Tomar no Cu Cabal" e "Foda-se Dichinelo", de Marechal & Gutierrez e Cabal e P Rima, respectivamente. Está em um projeto para o lançamento de um álbum a quase uma década; no entanto, o single "Espírito Independente" foi o seu primeiro trabalho.
Marechal tem diversas afiliações com MCs, mas principalmente com Emicida. Este, que por sua vez, lançou o EP Sua Mina Ouve Meu Rap Também, relacionada a canção composta por Marechal. Conhecido por usar frequentemente a frase Um Só Caminho, Marechal também exerce a profissão de produtor musical


Os verdadeiros sabem de onde eu vim.
Reconhecem quando os versos são de coração.
Um só caminho. Mais que música, é uma missão.
Não rendo pra gravadora. Quer me por sobre pressão.
Nãi sei fazer o som do momento. Eu faço dos momento um som!

(Independente) demora. Pra lançar, pra fazer.
Demora. Pra tu percebe que (tamo junto) é só vc. E foda-se CD! Eu tenho conteúdo lírico.
CD é só matéria. Minhas rimas ferem teu espírito!

(Independente). Underground é o caralho. Sou Pé no
chão.
Em honra aos sangue do meu sangue, jamais dei meu sangue em vão.
Meu som é de vida e se divive em longevidade e visão.
Mas sem neurose. Igual calypso se eu puder, vendo milhão.

O tempo passa? Deixa enguli quem precipita.
Eu com tempo vou em mais lugar, e o amor dos meus se multiplica.
Eu trago o que é eterno pra escrita. Minhas simples rimas explicam.
Meu disco? Nunca vai sair. Vagabundo.

Meu disco fica
nos diskman. Nos três em um caseiro.
No trabalho. Quando o patrão naum tá vendo.
(Fé) meu disco tem. Sentimento verdadeiro.
Se tu não tem. Desculpa se não tá entendendo.

Eu vivo a Rua. Trabalho como quem foca um legado.
Sou igual vendendor de revista ocas, tá ligado.
Meus tempos sem notícia. Não diz que eu tô parado.
Que dizer.. Se prepara! Vai vir vários rap bo la do.

Era uns riscos num guardanapo. Hoje são 1000 letra no
arquivo.
Processo é louco. Cada vez mais seletivo.
Se não tem suíngue não insiste. Não tem flow, escreve livro.
Não tem letra, desiste. Se naum tem show, se mata ao vivo.

Eu ouço as conversa de Rap. Sempre com um tom de saudade.
"Tempo bom que naum volta.." Assunto já tomou a cidade.
Setembro, 7. O que? Vamos Volta a Realidade..!
naum ta faltando rep... tá faltando é rep de
verdade.!..

1 por amor, 2 pra levar mensagem.
Diz pro patrocinador fortalecer rango e passagem.
Põe caixa de som pesada, um mic bom, que de pra ouvir.
Quem nunca viu vai sair do show tipo 'caralho!'
Viu os free?

Rap é sentimento. Mão pra cima geral.
Num preciso pedir barulho. Neguinho faz porque é real!
Vídeo disso aqui na net? Claro que não tem meu Aval!
Porque computador não capta a emoção espirutal.

Isso pra mim é um ritual. Sessão de sacríficio.
É mais de 10 anos na pista e o sangue pulsa igual no início.
Viver disso é difícil. Raros chegam a esse nivel.
Mas eu amo tanto o que faço, que esse amor faz ser possível. 




VANDALUZ

BANDA VANDALUZ


De forma divertida e poética, Vandaluz, nasceu de conteúdo livre e crítico, valores que a banda acredita serem indispensáveis para a satisfação de sua arte. Com uma maneira particular de ver a música brasileira, a banda conduz seu trabalho de apelo reflexivo, na intenção de estimular a liberdade de fazer arte com alegria e com responsabilidade.
No final de 2007 a banda gravou de forma independente, seu primeiro CD “Ascende”, a partir daí a banda foi convidada a se apresentar em várias cidades do Brasil, em festivais de relevada importância, tais como: Jambolada 2007 e 2008 (Uberlândia); Projeto Geringonça Sesc Tijuca (Rio de Janeiro - 2008); Demo Sul 2008 (Londrina), Festival integrado Grito Rock América do Sul (Uberlândia/Brasília/Cuiabá/Patos de Minas/BH/Itabirito/Poços de Caldas/São Carlos).

A banda recentemente lançou se primeiro vídeo clipe, intitulado Lucidez, que foi veiculado na programação da emissora nacional “MTV”.

A banda é formada por: Lucas de Paula (guitarra e vocal), Cassim Amperes (voz e gaita), Vane Pimentel (voz e poemas), Alan Delay (baixo) e Ciro Nunes (bateria, flauta, samplers e vocal).

VIDEOS




A música brasileira tem um jeito peculiar de ser recriada, parte do todo, se mistura na MPB, e acaba sendo sempre música brasileira. Sua arte mescla uma ginga sem igual, embebe-se na poesia, e liricamente se dispõe com humor e bravura para o dia-a-dia dos músicos e do público.
 De forma diver­tida e poética, Vandaluz nasceu de conteúdo livre e crítico, valores que a banda acredita serem indispensáveis para a satisfação de sua arte. Com uma maneira par­ticular de ver a música brasileira, a banda conduz seu trabalho de apelo reflexivo na intenção de estimular a liberdade de fazer arte com alegria e com responsabili­dade.
 Seu show é uma performance, com figurinos variados beirando as artes dramáticas dos palcos, mesclando atitude crítica com irreverência pop star. O poeta Vane conduz os músicos irmãos que compartilham o palco itinerante pelo mundo como se fosse uma van de luminosidade.
 No trajeto, gravações e mais de uma centena de shows referentes ao primeiro CD, gravado no final de 2007, intitulado “Ascende”. A partir de então Vandaluz levou sua luz coletiva a várias cidades do Brasil, em festivais como: Jambolada 2007 e 2008 (Uberlândia); Projeto Geringonça Sesc Tijuca (Rio de Janeiro - 2008); Demo Sul 2008 (Londrina), Festival integrado Grito Rock América do Sul.
 Em 2010 lançou seu primeiro vídeo clipe, intitulado Lucidez, veiculado na programação da “MTV”. Recentemente ganhou o prêmio PNUD em parceria com a ONU “Valores Fora do Eixo”, com a música Teoria.
 A banda é formada por: Lucas de Paula (guitarra e vocal), Vane Pimentel (voz e poemas), Alan Delay (baixo) e Ciro Nunes (bateria, flauta, samplers e vocal).
 Uma grande sonoridade construída na poética dos profissionais da música apresentada em corpo teatral – seja o palco que for. Uma garantia de abstrair a mente, tirando os pés do chão, sem perder a sanidade.